domingo, outubro 30, 2011

Poemas do Pr. Antonio Jesus Batalha


FOI POR MIM.


Por: António Jesus Batalha.

O quanto por mim sofreste,

Aqui enquanto vivias,

Ganhaste e não perdeste,

Vida eterna me deste,

Valor que em mim vias.

Cansado então estavas,

Com toda a sujeição,

A minha conta pagavas,

Minha vida transformavas,

Ganhavas meu coração.


O MEU MELHOR AMIGO.

Por: António Jesus Batalha.


Deus, Amigo querido,
Eu te peço perdão,
Por quem diz que é teu filho,
Mas se tem esquecido,
Das verdades da Tua Palavra,
Que quer ser bom conselheiro,
Mas vive apenas para a fama,
E seu coração está no dinheiro,
Mas, dorme bem em sua cama,
Que por Ti seja ferido,
Falo-o lembrar seu pecado,
Para que volte arrependido,
E seja assim transformado,
Desse pobre tem compaixão,
Deus Amigo querido,
Eu te peço perdão


O IMPORTANTE.

Por: António Jesus Batalha.

Não é importante que os outros dissessem,
Que tens mui largas simpatias,
Se no teu coração, há muitas cobardias,
E teu viver a muitos arrefecem.

Se de ti só se recebe sensaboria;
E se as contasse, e todos soubessem,
Talvez outro juízo de ti fizessem,
E assim acabavas com tua fantasia.

O teu feitio enerva e não constrói,
Porque só tens prazer em dar guarida,
Ao cinismo que fere e que nos dói.

Desperta em ti esta verdade,
Daria o melhor da minha vida,
Para te ver e ouvir na sinceridade.


DIFERENÇAS.

Por: António Jesus Batalha.

Pensamos mais, fazemos menos,
O que fazemos é muito aquém,
No amar ficam torrões,
Que amamos mas quem?
Amar e pensar qual diferença?

A diferença em pensar e amar,
Embora junto a quem,
A fuga para Saturno,
A diferença entre as duas tem.

Os sentidos voam no espaço,
Em práticas produzidas por nós,
Onde chego eu a quem amo e abraço,
Diferença entre duas aqui tem.

Vamos captar o passo desejado,
No tempo por nós talhado,
Em ritmo acelerado,
Vencer as diferenças, quem as não tem?



ADORAÇÃO.

Por: António Jesus Batalha.

Quando penso em ti Senhor,
Recordo o teu grande favor,
Tudo o que fizeste por mim,
Que na cruz deste tua vida,
Pela minha alma perdida.

Então rompo em adoração,
Numa humilde canção,
Para Ti meu Bom Redentor,
Estou livre pra te adorar,
Quero a cada dia cantar,
Esta humilde canção.

Minhas mãos levantarei,
Para ti meu Senhor e Rei,
Eis a minha adoração,
Tudo o que tenho é teu,
É esta a minha canção,
Senhor da terra e do céu.


MONTANHA.

Por: António Jesus Batalha.

Agrestes montanhas,
Mar revoltado,
Deserto com manhas,
O inimigo irado.

No meio cercados,
Com um medo atroz,
Não ficam calados,
Levantam sua voz.


GRAÇA.

Por: António Jesus Batalha.

Tenho em mim a Divina Graça,
Uma luz quando anoitece,
Do meu íntimo jorra um rio,
Num constante desafio,
Mui sereno pró mar quando desce.

Vivia como quem passa,
Nem tempo tinha de parar,
Musgos nasciam dos meus passos,
Cordas fortes eram meus braços,
Quando os elevava para o ar.

Quando seguia meu caminho,
Ninguém via se passava,
Alheio a tudo o que via,
Numa triste melancolia,
Que muito mal cantava.


SENHOR.

Por: António Jesus Batalha.

Dirige os meus passos Senhor,
É tortuosa a via;
Conserta as fibras deste ser,
Que outrora emlanguecia...
Os meus lábios e coração,
Que almejam te adorar,
Fá-los fruir o Teu saber,
E sempre Teu amor gozar!


A MINHA MÃO.

Por: António Jesus Batalha.

A mão que te ofereço,
Para que venhas à verdade,
É tudo quanto te peço,
Que deixes essa vaidade.

É tudo quanto te peço,
O voltares de direcção,
A mão que te ofereço,
Pra deixares a ilusão.

Abre teu coração,
É tudo quanto te peço,
Segura com prontidão,
A mão que te ofereço.




Por: António Jesus Batalha.

Que haja em nós fé amor no caminho,
Elevar os olhos ver ao longe a ponte,
Caminho atravessar ao alto monte,
Onde se vê a luz, a porta do nosso ninho.

A Palavra Sagrada do Divino,
Que em determinado vaso secou-se,
E a luz que nele estava dissipou-se,
Continua em frente grande peregrino.

Conquista com Cristo teu futuro,
Sente a glória e o poder em ti deixado,
Do Cristo que na cruz ensanguentado,
Fez de ti príncipe, em vez de mendigo escuro.

P’las bodas do Cordeiro embriagado,
Onde não há ilusão ou fantasia,
Pelo Amor eterno arrebatado.

Ergue-te nessa firmeza estóica,
Inalando em tua alma a maresia.
Em esforço glorioso de alma heróica.


-.-



2 comentários:

Antonio Batalha disse...

Obrigado, reparei que não tem um banner. no entanto vou fazer um e colucar no meu blog, depois se desejar ver é só clikar.
Um abraço.

Anônimo disse...

Vs e de mais
Muito abensuado
As sua palavras tocam o meu coração
Como uma sifonia e melodias
Qe Deus te abençoe
Saiba qe ja sou sua fã
Bjo´s
By:Sara