segunda-feira, julho 01, 2013

Qual é a Tua Bandeira?

    (Êxodo 17:11) "E acontecia que, quando Moisés levantava a sua mão, Israel prevalecia; mas, quando ele abaixava a sua mão, Amaleque prevalecia."
A bandeira que carregamos é 
visível a todos os que nos vêem, 
e é a partir daí que conhecem a 
nossa personalidade; nossas 
 atitudes expressam quem somos e 
definem se estamos do lado do 
Rei ou do inimigo
História:
    Refidim. Por volta de 1445aC. Os israelitas haviam saído do Egito, aonde tinham sido escravizados por mais de quatrocentos anos. Guiados por Moisés, andavam pelo deserto, aonde devido a sua rebeldia, perambulariam por quarenta anos. Deus havia lhes prometido uma grande e fértil terra; mas para chegarem até ela teriam de enfrentar uma grande caminhada pela frente, durante a qual Ele lhes garantiu alimentos, vestes, segurança e vitória sobre os inimigos. E um dos povos inimigos que eles encontraram pela frente foram os amalequitas - descendentes de Amaleque, um neto de Esaú -; um povo nômade que vivia naquela região do Mar Morto; eram bandidos gananciosos e extremamente violentos. Quando viram os israelitas passando por alí, não pensaram duas vezes para atacá-los; mas, coitados, não sabiam que estavam mexendo com as pessoas erradas; pois Jeová estava com eles! Em meio a tudo isso, um fato curioso aconteceu enquanto os homens lutavam: cada vez que Moisés levantava as suas mãos, Israel predominava na peleja, e quando ele as abaixava, os amalequitas é que eram bem sucedidos no ataque. Percebendo isso, Arão e Hur mantiveram as mãos de Moisés erguidas até que Josué e seus homens venceram a batalha. Assim edificaram alí um altar e lhe colocaram um nome que expressa claramente o porquê deles terem conseguido derrotar Amaleque: "O Senhor é a minha bandeira!" A bandeira de cada exército sempre é colocada no campo de batalha para mostrar em nome de quem aqueles soldados estão lutando; foi assim que Deus agiu: como as mãos de Moisés estavam estendidas para o alto, serviram para simbolizar uma bandeira hasteada com o nome de Jeová. E como o nome dele foi verdadeiramente colocado naquela peleja, não havia como os inimigos poderem derrotá-los. Em qualquer situação, as bandeiras servem para identificar de que lado nós estamos; qual é a tua bandeira?
Manter as mãos erguidas é uma 
tarefa que, muitas vezes, exige 
ajuda e boa vontade daqueles 
 que estão ao nosso lado; você 
tem sido um bom companheiro 
daqueles que lutam contigo 
pela Obra de Deus?
Mensagem:
    Temos que estender nossas mãos para os céus, para que Deus venha a nos abençoar sempre.
    "... acontecia que , quando Moisés levantava a sua mão, Israel prevalecia..." Quando levamos uma vida de santificação (1ª Tm 2:8), nossas mãos são poderosas (1ª  Tm 4:14), pois representam o poder daquEle a quem servimos (Jo 13:3).
    "... quando ele abaixava a sua mão, Amaleque prevalecia." Quando não levamos uma vida de santificação (Is 1:14), nossas mãos não têm poder (Is 1:15), pois não estão fortalecidas por Deus (Sl 37:17; 2ª Co 6:17).
A prova de que somos verdadeiros 
 crentes não é lembrarmos que Deus 
existe na hora que choramos, mas 
sim conseguirmos lembrar que Ele 
continua existindo na hora que 
sorrimos
Conclusão:
    Espiritualmente falando, levantar as mãos significa fazer uso da autoridade obtida através da comunhão com Deus (Lc 24:50b). Autoridade só tem quem age como cristão (1ª Co 11:1), e agir como cristão significa saber amar (Rm 12:9,10), perdoar (Tg 2:13), agradecer (1ª Ts 5:18), repartir (1ª Tm 6:18), interceder (Tg 5:16), vigiar (Mt 26:41), renunciar (Lc 14:33), enfim, para levantar a bandeira de Jeová, temos que ser legítimos soldados dispostos a tudo para vencer a todas as batalhas que surgem diariamente em nossa vida (2ª Tm 2:3-5). Definindo esta expressão mais claramente, como evangélicos pentecostais, sabemos que levantar a bandeira de Jeová significa colocar Deus a frente de tudo o que fazemos (Sl 127:1,2; Rm 8:14), confiar nEle (2ª Co 1:9,10), obedece-lo (At 5:29), testemunhar suas bençãos (At 20:24), e ama-lo de todo o coração (Mt 22:37,38) deixando transparecer claramente em nossa maneira de viver que somos realmente crentes (1ª Pe 1:14-16), praticantes da palavra (Tg 1:22) e não meros aparentes cristãos como muitos (Mt 7:21). O mundo tem várias bandeiras (Gl 5:19-21), qual é a tua (1ª Co 10:32,33)? Escolha a melhor (Dt 30:19,20)!
   

Um comentário:

José María Souza Costa disse...

CONVITE
Passei por aqui lendo, e, em visita ao seu blog.
Eu também tenho um, só que muito simples.
Estou lhe convidando a visitar-me, e, se possível seguirmos juntos por eles, e, com eles. Sempre gostei de escrever, expor as minhas idéias e compartilhar com as pessoas, independente da classe Social, do Credo Religioso, da Opção Sexual, ou, da Etnia.
Para mim, o que vai interessar é o nosso intercâmbio de idéias, e, de pensamentos.
Estou lá, no meu Espaço Simplório, esperando por você.
E, eu, já estou Seguindo o seu blog.
Força, Paz, Amizade e Alegria
Para você, um abraço do Brasil.
www.josemariacosta.com