segunda-feira, fevereiro 11, 2013

Declaração de Renúncia do Papa Bento XVI




Veja aqui:
A DECLARAÇÃO DE RENUNCIA  PUBLICADA HOJE
no boletim de 11.02.2013  no site do Vaticano.va

Cardeal Joseph Alois Ratzinger 

Tradução de João Cruzué

"Caros Irmãos,

Eu os convoquei para este Consistório, não apenas para as três canonizações, mas também para comunicá-los de uma decisão de grande importância para a vida  da Igreja. 

Depois de ter repetidamente examinado minha consciência diante de Deus,  cheguei à certeza de que minhas forças, devido a  idade avançada, não são mais adequadas para o exercício do ministério pedrino.

Eu estou bem consciente de que este ministério, devido  sua natureza essencialmente espiritual,  deve ser levado avante  não apenas com palavras e feitos, senão com orações e sofrimento.

Entretanto, no mundo atual sujeito a tantas e rápidas mudanças,  sacudido por questões de profunda relevância para  a vida e fé, para governar a  barca de São Pedro e proclamar o Evangelho,  são necessárias tanto as forças da  mente quanto as do corpo, mas nestes últimos  meses elas têm se deteriorado em mim  ao ponto de  reconhecer minha incapacidade para cumprir adequadamente  o ministério confiado.

Por esta razão, e bem ciente da seriedade deste ato e com  toda liberdade, eu declaro que  renuncio ao ministério do Bispo de Roma, sucessor de São Pedro, outorgado a mim em 19 de abril de 2005 pelos Cardeais e  deixo a Santa Sé em Roma, a Sé de São Pedro, em 28 de fevereiro de 2013, que ficará vacante, e um conclave terá que ser convocado, por aqueles que são competentes para isto,  para eleger o novo Supremo Pontífice.

Caros Irmãos, eu os agradeço  sinceramente por todo amor e trabalho com os quais suportaram  a mim e ao meu ministério e eu peço perdão por todos os meus defeitos. 

E agora,  vamos deixar à Santa Igreja aos cuidados do  nosso Supremo Pastor, Nosso Senhor Jesus Cristo, e imploro a sua Mãe Maria para que possa assistir ao Conselho de Cardeais com sua maternal solicitude, em eleger o novo Supremo Pontífice.  Com relação a mim,  desejo ainda devotadamente servir à Santa Igreja de Deus no futuro, através de uma vida dedicada à oração.

Do Vaticano, em 10 de fevereiro de 2013.
BENEDICTUS PP XVI

Opinião do Blogueiro: Em 600 anos de papado, esta é a primeira vez que um Papa deixa o cargo em vida. Como estas ações são bem planejadas, acredito que não apenas a Idade pesou, mas as questões políticas internas, levaram o Cardeal Joseph Alois Ratzinger tomar a decisão em vida para a passagem do cajado. Entendo que a causa apresentada para a renúncia pode não ser a principal, contudo a mais aceitável para a opinião pública. Se o novo  Bispo escolhido for do círculo interno do Papa isto significa que o Cardeal Ratzinger ainda está no controle, e usou de sabedoria para conter as pressões políticas internas. 


E por falar em sucessão, segundo o jornal espanhol El País, 118 cardeais vão compor o conclave que vai escolher até 15 de março o sucessor de Bento XVI. O Brazil tem dois nomes fortes: Dom João Braz de Avis e Dom Odílio Scherer. Há dois italianos entre os mais "papáveis": Dom Gianfranco Ravasi e Dom Angelo Scola, e um forte candidato filipino: Dom Luis Tagli. 

Politicamente entendo que para a Igreja Católica talvez seja a hora de investir em um Cardeal africano, mas, acredito que vá prevalecer o peso do perfil do candidato em lugar das regionalidades. 

Entretanto, o Papa João Paulo II deixou profundas marcas de liderança na Igreja Católica, se isto é verdade, o próximo Papa poderá ter o perfil de um missionário, com habilidades políticas e facilidade de comunicação mais destacadas do que as de  um doutrinador. E se possível, na casa dos 60 anos. Quem terá no momento este perfil?

.

Um comentário:

António Jesus Batalha disse...

Amados, entrei no seu abençoado blog, e verifiquei que aqui há vida, e que o amor de Jesus impera.
Dou-lhe os parabéns por este belo blog, que é mais uma ferramenta para levar a Palavra de Deus.
Se desejar faça uma visita ao blog peregrino e servo.
Fique na paz de Jesus. E muitas vitórias em Cristo.
António Batalha.