sexta-feira, agosto 12, 2011

Por que publicar um blog cristão?

tipos da prensa de Gutenberg
Vocês não sabem que dentre todos os que correm no estádio, apenas um ganha o prêmio? Corram de tal modo que alcancem o prêmio. 1 Coríntios 9:24
[...] tive por necessidade escrever-vos, e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos. Judas v.3
Existem alguns tipos de cristãos cuja mentalidade e atitude é prejudicial ao Cristianismo, e já que levantei a bola, vou dar nome aos bois às ovelhas: os fatalistas e os pessimistas. Por fatalista entenda aquele que acredita que, independente de nossas ações e atitudes, as coisas vão acontecer do jeito que estavam destinadas, para o bem ou para o mal. Alguns dispensacionalistas radicais podem se enquadrar nesse rol (Nota do autor: sou dispensacionalista, mas não radical).

Já por pessimista entenda algo semelhante ao item anterior, mas que acredita que, independente de nossas ações e atitudes, as coisas irão de mal a pior. Nessa segunda coleção estão, infelizmente, ou não, crentes de todas as denominações, correntes, vertentes e torrentes teológicas, todas apontando pra baixo, pro fundo do poço. Mas, o que o Cristianismo ganha com esse tipo de atitude ou, melhor dizendo, falta de atitude? Nada. Mas, se alguém puder me provar o contrário, estou aberto a contestações, desde que fundamentadas e embasadas com argumentos lógicos e fáticos.

Em minha humilde opinião, julgo que, assim como Deus confiou a preservação de Sua Palavra escrita aos escribas e profetas, o Senhor confiou a preservação de Sua Palavra entendida (exegese e hermenêutica) aos apologistas. Com isso, estou querendo me qualificar como apologista? Não, de modo algum, pois reconheço e confesso que não reúno as qualidades necessárias para tal. Meu intuito é apenas despertar os verdadeiros apologistas – os que ainda não o fizeram – a ingressar nesse campo de batalha virtual que é a internet. E, aos que já o fizeram, incentivá-los a não abandonar o campo de batalha, deixando-nos sozinhos a segurar o mouse.

Isto posto, passo a discorrer sobre os benefícios de se batalhar pela fé que foi confiada aos santos. Mas, antes, um breve histórico pessoal, para contextualizar o porquê desta convocação a novos blogueiros cristãos, e incentivo a velhos [amigos] blogueiros cristãos. Não se avexe, serão só 2 dedinhos de prosa.

I – Por que me tornei um blogueiro cristão? Ou terá sido um cristão blogueiro?

Desde novinho que sou viciado em leite Ninho em pó, furtado às escondidas da lata, quando a medida ainda era de alumínio. Se você nasceu neste século ou ainda não conta com mais de 2 décadas de idade, esqueça, você não vai entender, e nem saber o que perdeu. Bem, eu tinha outro vício, furar a lata de leite condensado e tomar goles sorvendo no furinho. Esse também era um costume do século XX, mas isso não vem ao caso, porque estava querendo dizer que meu vício era de leitura, mas a lata de Ninho puxou a de leite condensado, se é que você me entende… risos

Dizer que eu era viciado em leitura desde novinho é apenas uma meia-verdade, porque só aprendi a ler direito depois que caíram meus dentes de leite. Antes disso, eu gostava mesmo era de revistas em quadrinhos, principalmente As Aventuras do Tin-Tin e, um pouco mais tarde, Asterix. O quê, não me diga que você não conhece As Aventuras de Tin-Tin! Afinal, você nasceu em que século, hein? Eu morria de rir lendo essas – e outras – histórias. Bons tempos…

Então, existia uma certa cumplicidade entre eu e as letras, embora o mesmo não possa se dizer entre eu e as canetas, que tinha uma relação um pouco mais turbulenta, até que eu conseguisse domá-las. Até hoje elas (as canetas) me dizem que não fui eu quem as domei, mas foram elas que me domesticaram. Claro, morro negando que são elas quem têm razão.

Por algum motivo que me foge à mente agora, sempre gostei de escrever textos motivacionais e de inspiração, pelo menos os que me lembro ter escrito e publicado. Além das reflexões bíblicas, claro. Talvez tenha sido pelas várias decepções e frustrações pelas quais já passei, sinceramente não sei. Sabe, às vezes me pego escrevendo para mim mesmo, como se estivesse escrevendo pensando alto e, ao publicar, surpresa! as pessoas gostam e comentam. Um exemplo disso é o post Contando as derrotas que nos fazem subir cada vez mais e Tenha cuidado ao regar seus sonhos. Tem gosto pra tudo, não é verdade? Até pra gostar do que eu escrevo.

Mas, preciso confessar: sou um blogueiro cristão (ou cristão blogueiro?) por influência do irmão João Cruzué, do ótimo blog Olhar Cristão. O irmão Robinson João Cruzué foi quem singrou os mares dantes inexplorados por crentes, marcando sua presença solitária na net durante um bom tempo, até ser resgatado desse isolamento por vários crentes que se tornaram blogueiros, sendo uma parte desses graças a ele. Muito, mas muito antes do papa bradar “Por Deus, tenham um blog!”, o irmão Cruzué já batia nessa tecla… risos

II – Qual a utilidade de um blog cristão?

Dentre as várias que vou citar, posso incluir também o fato de ser um projeto pessoal, uma espécie de lazer e publicação de pensamentos esparsos e memórias, trazendo uma satisfação intrínseca e tornando-se, para alguns, até um ministério virtual.
  1. combater heresias e denunciar os vilões da fé: o blog cumpre um importante papel (profético), sendo uma forma interessante e eficaz de chamar a atenção para os erros e equívocos cometidos em nome da fé;
  2. expor a Verdade e edificar os irmãos na fé: muitas vezes, sem perceber, aqueles nossos textos despretensiosos valem para trazer consolo a alguém que precisava ouvir uma palavra de conforto em meio às angústias cotidianas;
  3. influenciar a cultura e mudar os rumos da sociedade: as eleições presidenciais de 2010 testemunharam o surgimento do poder de influência dos crentes 2.0, ou seja, dos crentes que estavam ligados e antenados nas coisas (risos);
  4. fazer diferença nesse turbulento oceano virtual: enfim, a internet trouxe, literalmente, à tona um poder de comunicação e influenciação até então desconhecido, tanto para o bem como para o mal. Cabe a nós, blogueiros cristãos, fazer uso dele para o bem, publicar as boas novas para um mundo desiludido, acostumado apenas a ouvir más notícias.
III – O que me motivou a escrever isto?

As coisas, pelo menos para terem uma certa lógica e coerência, devem ter suas razões para acontecer, certo? Ok, ok, nem sempre… amar, por exemplo, não deixa de ser bom, e nem sempre acontece por um motivo, a gente acorda um belo dia e se descobre amando! Vai entender…
Mas, este post teve motivos sim, e bons motivos:
  1. homenagear os atuais blogueiros cristãos que militam em favor do Reino, para tornar as Boas Novas conhecidas ao redor do mundo;
  2. incentivar a mais cristãos a se tornarem blogueiros que venham a se enquadrar no item anterior;
  3. fomentar o crescimento saudável do ecossistema da blogosfera cristã, que é formado por editores de blogs, escritores de textos, comentadores, divulgadores dos textos publicados e, é claro, mais importante e que não poderia faltar, os leitores;
Agora, vou dar um exemplo prático da importância em termos [bons] blogs cristãos:

Existe um site de tecnologia que é bem popular, tanto pela quantidade de informações úteis como pela qualidade dos editores, que acompanho desde 2006, aproximadamente, que é o Meio Bit. Um de seus editores mais populares e também fundador, o Cardoso, inegavelmente uma pessoa de talento e conhecimento, vem cada vez mais mostrando-se intolerante e ácido em relação ao cristianismo. Em um post recente, cujo título é Ciência comprova: Milagres existem, ele utiliza a chamada para, no final, escarnecer da fé em Cristo.

Como já fui ridicularizado em outros posts, resolvi fazer um comentário “ligth“, sem rebater, apenas mostrando que a alegação de que a ciência explica e tem resposta pra tudo não é verdadeira. Assim, fiz referência a dois links que desmascarariam essa falácia, que seriam sobre o poder da oração e sobre um menino que visitou o céu e conversou com Jesus. Observe o desenrolar da coisa.

 Aqui você observa que o comentário estava na fila de moderação, provavelmente devido aos dois links. Pela manhã, ele foi aprovado (não sei dizer por quem), e até postei outro comentário para saber se eu estava bloqueado (não estava, devia ser por causa dos links mesmo). Mas… eis que o raivoso Cardoso entra em cena, e faz simplesmente isso:

Veja a envergadura da justificativa que a cavalgadura impoluta figura teve capacidade de fazer, chamar a experiência de uma criança de 4 anos, que quase morreu e viver pra contar a história (cujo livro é best-seller nos EUA), de baboseira religiosa. Nem vou me deter em defender a experiência infantil alheia, mas apenas desmascarar a raivosidade cardosiana. Você sabe por que ele moderou meu comentário?

Primeiro, porque era direito dele, afinal ele é um dos “donos” do site. Segundo, o post era dele, então ele poderia moderar da forma que quisesse (assumindo que foi outro quem aprovou o comentário). Terceiro, porque meu comentário PODERIA sim, ser considerado spam de meu blog, dependendo da intenção. Mas, NÃO era spam, porque: era um link válido, para um post válido; meu blog não é caça-níqueis; tinha a ver com o tema do post (milagres e ressuscitar).

Mas, qual o real motivo dele ter defenestrado meu comentário? Simples: as experiências ali comprovavam que os argumentos dele eram furados! E ele não consegue admitir que um post dele seja confrontado, contestado E, detalhe, refutado. E aquelas experiências REAIS jogavam por terra todo seu argumento falacioso. Assim, não lhe restou outra alternativa a não ser moderar meu comentário (que estava trazendo curiosos aos posts mencionados) e tentar desqualificar o que comentei, para não deixar a impressão de que estava sendo antidemocrático.

Agora você consegue perceber a importância de existirem blogs cristãos, mas blogs de qualidade? Para servirem de repositório de boas matérias, de fatos relevantes e de locais onde o pensamento cristão possa aflorar e se desenvolver de maneira sadia e natural. Sem esses lugares, haveria a impressão de que o cristianismo seria algo irrelevante e desnecessário, passando despercebido no mercado das idéias. Mas, é bom lembrar, nós estaríamos deixando de ser sal da terra (fazer diferença) e luz do mundo (afastar as trevas), e isso, meu caro, é pecado, é desobedecer o Mestre.

IV – Que papel Deus lhe reservou na blogosfera cristã?

Como mencionei antes, a blogosfera cristã possui vários elementos e, apesar de alguns deles se sobreporem, há espaço para você em pelo menos um deles. Analise abaixo onde você se encaixa melhor.
  1. editor de blog: é o administrador do blog, o que decide o que vai ser publicado, e quando. Ele pode ser um replicador de conteúdo de outros blogs e sites, pode agir como agregador de notícias que mantém relação com o foco ou tema tratado no blog;
  2. criador de conteúdo: é aquele que cria um conteúdo inédito na internet, seja escrevendo um artigo completo ou apenas acrescentando seu ponto de vista ou opinião sobre fato conhecido que ele julga relevante abordar e analisar. Vale salientar que muitos blogueiros se enquadram nessas 2 categorias iniciais (este autor, inclusive), ou seja, tanto replicam conteúdo de terceiros como criam conteúdo próprio para consumo de seus leitores;
  3. comentador de conteúdo: é aquele que comenta sobre as matérias postadas no blog, deixando sua opinião, seja ela concordante ou discordante, e provê um importante feedback ao editor e autor por meio de críticas, sugestões, outro ponto de vista e contrapontos ao texto;
  4. divulgador de conteúdo: é aquele que, gostando (ou não, risos) do que foi postado, envia esse conteúdo para seus amigos, como forma de deixá-los cientes do que e como está sendo discutido esse assunto, ou apenas para divulgar o blog, se ele o considera merecedor dessa tarefa, já que o faz sem esperar recompensa;
  5. leitor do blog: essa é a figura principal de um blog, às vezes mal compreendida, outras mal valorizada. O leitor do blog é o maior patrimônio de um blogueiro, ao lado de suas idéias expostas no blog. Infelizmente, pelo fato de muitos leitores serem anônimos, são reduzidos a um mero número estatístico (se não participa, se não se identifica), mas é ele quem é edificado, influenciado e transformado pelo que produzimos, ou seja, é nosso alvo. Se errarmos esse alvo, se deixarmos de atingir nossos leitores, estaremos (teologicamente) pecando, pois pecar é “errar o alvo”. Os leitores são os tijolos que formam a base de uma estrutura social, e são eles que, ao mudarem, mudam a comunidade. Percebeu a importância deles? Por isso, jamais negligencie seus leitores, mesmo os que você nem sabe quem são.
Certamente, você se enquadra em algum desses papéis (ou em mais de um), e pode ser um instrumento nas mãos do Senhor para edificar muitos.

V – Quais blogs eu lhe indico para ajudar-lhe a crescer na fé?

Para não citar alguns blogs e deixar outros de fora, além de evitar fazer uma loooooonga lista, deixando este post ainda maior do que já está, vou dar orientações de como você avaliar e concluir se um blog pode servir de instrumento de edificação à sua fé. Agidno assim, eu não estarei lhe dando o peixe, mas uma vara e ensinando-lhe a pescar. Até porque tem gente que gosta de peixe de água-doce, outros dos de água-salgada, outros de peixes de escamas, já outros gostam de peixes de couro (sim, existem peixes de couro e sem escamas).

Graças a Deus, a blogosfera está bem sortida de blogs cristãos bacanas, úteis e relevantes, e com uma boa orientação, você conseguirá navegar  sem traumas, desviando-se dos perigos submersos e minas blogs explosivos (que só sabem criticar), que podem destruir sua fé. Vamos lá:
  • procure blogs de editores reais (de carne e osso) e sérios (de boa reputação), coisas que você vai conhecendo com o tempo e discernimento. Através desses, você crescerá na fé o suficiente para poder filtrar, no futuro, pérolas dentre o lixo virtual;
  • procure blogs que defendam a Palavra de Deus e respeitem o Deus da Palavra, que não estuprem a Bíblia para fazê-la se dobrar ante suas loucas ambições e projetos megalomaníacos (Templo de Salomão, hello?);
  • procure blogs que saibam se expressar de forma correta e agradável de se ler. Sobre isso quero acrescentar que não estou lhe incitando a buscar blogs  com perfeição gramatical ou estilística (se é que existem, risos), mas incitando-lhe a buscar e valorizar o que é bom, buscar blogs que se esforçam para lhe trazer o melhor, ainda que cometam alguns erros;
  • procure blogs que sigam uma linha teológica séria e reconhecida como tal, e deixem isso bem claro para quem acompanha o blog, ainda que você seja partidário de outra corrente teológica. Por exemplo, eu sou pentecostal e pré-milenista, mas não me sinto ofendido em ler posts de blogs de linha reformada, e consigo filtrar aquilo que considero relevante e útil para mim sem problema algum;
Talvez você esteja lendo este post em um blog que reúne essas características (se não estiver lendo no meu blog, o Desafiando Limites, claro), e pode avaliar perfeitamente um blog por essas características acima. Claro, elas não são exaustivas pois ainda existem outras qualidades que você vai descobrindo com o tempo e a experiência de leitura. Essas características também não são exclusivas, ou seja, um blog NÃO precisa ter todas elas para ser considerado bom. Pode ser que ele esteja se estruturando e crescendo, evoluindo, e vai adquirindo qualidade editorial e técnica aos poucos, inclusive com sua ajuda por meio dos comentários, críticas e sugestões, capice?

Agora que já me dirigi a você como participante desse environment (meio-ambiente) blogosférico, está na hora de você parar um pouco e analisar qual é o seu chamado diante de Deus para fazer o nome dEle conhecido e reconhecido na esfera virtual. Uma coisa precisa ficar clara para você: não é preciso que você faça (ou queira fazer) tudo, mas faça o que estiver ao seu alcance. A blogosfera cristã será uma bênção quando muitos derem a sua contribuição, ainda que pequena, e não quando poucos derem muito. Sabe por quê? Porque enquanto poucos produzirem a maior parte do conteúdo, estaremos vulneráveis e nosso futuro estará ameaçado. Mas, quando formos muitos produzindo em conjunto, não haverá um alvo específico a ser atingido, e a continuidade desse movimento estará assegurada.

Eu acredito que a história da igreja é formada por etapas, por fases. Houve a época das grandes ondas missionárias, mas ela passou. Houve a época das grandes cruzadas evangelísticas (já ouviu falar de Billy Graham, considerado O evangelista do séc. XX?), mas ela teve seu tempo, e esse tempo também passou. Estamos vendo, em minha humilde opinião, o ocaso das grandes corporações eclesiásticas, dos grandes templos, das mega-igrejas. E que novo tempo está se formando no horizonte? O tempo da semeadura e ceifa virtual, onde as pessoas não irão mais a um templo físico para ouvir uma palavra de Deus, mas a buscarão nas ondas virtuais da internet. Se alguém estiver precisando ouvir uma palavra de Deus por seu intermédio, ela a encontrará?

Não se assuste por isso estar acontecendo, a história da igreja é assim mesmo, parecendo uma montanha-russa, cheia de altos e baixos, mas tranquilize seu coração, porque Deus não se ausentou de Seu trono e ainda tem as rédeas do mundo em Suas potentes mãos. Às vezes, a igreja decai para logo mais erguer-se majestosa. Às vezes, após um período áureo segue-se uma noite escura.  Não se admire, Israel também era assim,  e parece que isso faz parte da vida eclesiástica. Pode dormir em paz, Jesus ainda é o cabeça da igreja.

Todavia, para nós, para quem já raiou o Sol da Justiça, e que esperamos o surgimento da glória de nosso Salvador, o futuro promete, e promete grandes coisas. Por isso, enquanto Ele não vem, que estejamos ocupados em fazer Seu Reino crescer, seja na internet ou fora dela, mas que façamos tudo para glória e louvor somente dEle.

Seus comentários serão bem-vindos, e sua avaliação, seja por meio de um Gostei ou das estrelinhas abaixo nos ajudam a entender como você nos enxerga e lê. Se gostou deste post e o considera relevante, você pode ajudar das seguintes formas: se é um blogueiro, pode republicá-lo em seu blog, dando-me apenas o crédito da autoria. Se é apenas um leitor, pode divulgá-lo para seus amigos que têm talento para serem blogueiros e estão relutantes. Mas, principalmente, se você sente o chamado para atuar na net em favor do Reino e ainda não havia se decidido, agora você não tem mais desculpas (risos).

Que tal, então, começar a dedilhar esse teclado e publicar a vida, enquanto muitos publicam a morte?

Soli Deo glória.

5 comentários:

Andréia (Deus quer falar com você hoje) disse...

Exercendo minha função de comentadora de conteúdo rsrsrs vim te parabenizar pelo novo blog e pelo artigo.
É muito importante fortalecermos nossos amigos blogueiros, que as vezes se sentem um pouco desestimulados e o seu artigo nos mostra mais uma vez a importância do trabalho (ministério) do blogueiro cristão.
Não devemos desistir nunca, porquanto Deus nos entregou essa missão.
Deus te abençoe.

Joao Cruzue disse...

Lindo Texto.

Só podia ser de quem?

Do Wallace.

Wallace. disse...

olá, Andréia, apz.

obg por comentar e dar seu feedback.

Deus te abençoe, visitei seu blog, parabéns por ele, já estou lá entre os seguidores.

abs.

Wallace. disse...

@João, apz.

meu amado, eu que agradeço pela oportunidade de ser publicador aqui na ABC.

que o Senhor continue abençoando sua vida e seus projetos.

gde abço,

teu servo,

Wallace.

LEviS do SenhoR! disse...

Que deus abençoe!

Acesse o Blog:

http://comoralraiodeluz.blogspot.com/