domingo, setembro 27, 2009

Apologia do uso de blogs pelas lideranças evangélicas



UMA VINHA GLOBAL


Jesus contando a parábola dos dois filhos
João Cruzué

A falta de conhecimento de como usar novas tecnologias, para divulgar a mensagem do Evangelho e outras informações de interesse da Igreja, pode levar a uma consciência distorcida da realidade. Paulo escreveu: E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, e a agradável, e a perfeita vontade de Deus.

Entendo que a vontade de Deus é global e pessoal ao mesmo tempo. Sua vontade global é que nenhum se perca, senão que todos cheguem ao pleno conhecimento da verdade e se salvem por meio de Cristo. Para isso ele conta comigo e com você. Precisamos chegar ao conhecimento de sua vontade, contextualizada para nossa época, a fim de produzir os frutos esperados. Falar do amor de Deus é a missão da Igreja; as demais atividades, apesar de importantes, estão em plano inferior. Sem consciência disso nosso ato de blogar é apenas uma vaidade que vai perder sua força com o tempo.

Blogs são como janelas abertas para o mundo. Púlpitos digitais. O mundo está mais perto do que o quintal de nossa casa. Em dois minutos você pode publicar um texto e disponibilizá-lo para qualquer canto da terra. Mais rápido do que chegar até o quintal da sua casa.

Há diversas formas de trabalhar com um blog. Todas elas são importantes, mas uma consciência cristã genuína é o combustível que vai levar você sempre mais longe. Ele é basicamente um meio de propagar a palavra escrita. Você pode escrever e divulgar nele o que quiser. No entanto, recomendo que, conscientemente, você também deixe ali uma despensa com algumas mensagens com palavras de vida eterna.

Alguns iniciantes não sabem o que fazer com o blog recém-construído. Sugestões? Eu começaria escrevendo o que Deus fez por mim. Deixaria claro o que Jesus é para mim. Depois, de semana em semana iria escrevendo meus sentimentos, minha forma de ver as coisas, naturalmente sem expor a vida íntima. Para quem não sabe, o diário de Anne Frank foi escrito assim.

Em um blog eu posso deixar uma reportagem de uma festa que aconteceu em minha Igreja. Colocar fotos. Divulgar trabalho de missões. Embora seja mais difícil no começo, a prioridade deve ser sempre investir no próprio talento, deixando de lado o caminho do pouco esforço - que é ficar copiando (todo dia toda hora) as coisas que os outros escreveram. Ninguem nasce escrevendo. Depois que eu li uma entrevista em que a diretora de redação da FUVEST precisava refazer um texto até 10 vezes para que ele ficasse bom.


Na era digital (como de costume) a Igreja segue no rastro dos meios utilizados nas atividades comerciais. O Google se tornou o maior vendedor mundial de espaço de publicidade. Ficou tão rico que passou a disponibilizar plataformas de blogs e serviço de busca gratuitos a nível global. Deus tem providenciado os meios e os recursos para que o evangelho pregado e compartilhado gratuitamente a todas as nações da terra. O mundo está bancando os custos para que a Igreja pregue o Evangelho. Por trás disso eu vejo a boa mão de Deus.

Em meio a tanta oportunidade, me causa estranheza a falta de visão de tantos crentes, que do conforto do sofá não estão tão preocupados quando o assunto é a salvação de almas. Na hierarquia de suas necessidades isso não aparece nos primeiros cinco itens da lista. Outros estão ocupados demais. Estressados, atarefados com problemas pequenos e do lado de fora acontece a maior seca espiritual de todos os tempos. Sete bilhões (7.000.000.000) de almas. Metade disso não faz nem ideia do que seja Cristo.

Eu possuia uma visão bem confortável do mundo. Mas isso mudou depois que passei 11 anos desempregado. Muito currículo e poucas portas. A depressão e a frustração me fustigaram fortemente. Onze anos não são 11 dias. Passei a enxergar as coisas de uma maneira diferente. Observei que precisava ser mais agradecido. Aprendi a enxergar e valorizar as pequenas coisas. Tão logo Deus me abençoou, eu decidi testemunhar de tudo.

Um blog pode ser uma casa de pão. Há uma grande fome lá fora. Fome por uma simples frase do amor de Deus. Você não precisa escrever um blog apenas para soterrá-lo de frases. Mas elas precisam estar lá. Você não pode desprezar esta oportunidade gratuita de publicar coisas cristãs.

Nenhum texto publicado, por mais simples que seja, ficará sem leitura. Por outro lado, um blog não deve ser encarado como uma coisa de outro mundo. É como escrever em um caderno. A caneta é seu teclado; o caderno é a tela do seu monitor. Do outro lado há sempre alguém precisando de uma palavra. Se você orar quando escrever suas coisas, as palavras irão e produzirão efeito. Elas têm a promessa de Deus registrada pelo Profeta Isaías: de que não voltarão vazias.

No começo é um pouco estranho, mas com o passar dos anos as coisas vão se tornando mais simples. Você vai lendo, aprendendo, corrigindo, ouvindo as críticas. A experiência de publicar um texto na internet deve ser valorizada e aprendida. Todo líder evangélico deveria aprender. Para usar ou para ensinar a outros.

Ter o domínio da melhor tecnologia disponível da época para pregar o Evangelhop a suprema missão da Igreja é formidável. Ter acesso gratuito a tudo isso e mesmo assim achar que não vale a pena é inacreditável.


cruzue@gmail.com


.

Um comentário:

Luiz Clédio Monteiro disse...

Caríssimo Ir. Pr. João Cruzué
Tomei conhecimento deste artigo, e tive que repassar para toda minha lista de e-mail (+\- 250). Nela constam centenas de pastores e lideres. Foi Deus quem me mostrou este texto, visto que a menos de 1 mês o 2º pr., da nossa igreja (PIB São Luis), no sermão dominical, falou que os blogueiros são como palpiteiros, pois escrevem do que não estão preparados (ele quis dizer que somente teólogos podem escrever sobre cristianismo). Na ocasião fique abalado (ele sabia que sou blogueiro), mandei ate um e-mail para pr. Newton Carpinteiro meio indignado.
Mas aqui está a resposta do meu Deus. Ela não só chegou completa, mas acalentou meu coração em saber que o senhor ficou 11 anos desempregado, pois eu estou ha 1 ano e 3 meses, que a minha empresa quebrou. Só o senhor sabe então o que estamos passando aqui em casa, mas nunca deixei de escrever sobre a grande Graça do Nosso Amado Jesus Cristo.
Deus seja louvado hoje e sempre.
E que o senhor continue te abençoando com muita sabedoria para animar o coração desses milhões de blogueiros empíricos por este Brasil a fora.
Amem.