domingo, julho 27, 2008

Eclesiastes 12 - Lembra do teu Criador


"Lembra do Criador nos dias da tua mocidade"

Mocidade

João Cruzué

Há tempo para todas as coisas debaixo do sol, assim disse o pregador no livro de Eclesiastes, e falando sobre tempo, desejei muito escrever um texto que falasse da juventude - o tempo em que são feitas as principais escolhas de toda uma vida.

Aos 18 anos, como todo jovem dos anos 70, deixei a casa dos pais em busca de uma graduação e trabalho. A primeira escolha que fiz, bem no começo de minha juventude, foi ter me tornado um crente, ao aceitar Jesus Cristo como salvador e Senhor da minha vida. Esta escolha teve um preço alto no começo, pois meus pais eram muito católicos e se aborreceram muito com isso, mas 12 anos depois eles também escolheram o mesmo caminho e a mesma fé.

Quando me lembro daquele tempo posso ver que havia muitos outros caminhos e círculos de amizades que poderia ter escolhido, mas fui muito bem sucedido e abençoado ao escolher a companhia de pessoas crentes em Jesus que me cercaram com o amor necessário. Ao aceitar Jesus eu ganhei uma nova família. Isso evitou o caminho dos vícios, da prostituição e das más companhias. Sempre houve muitos caminhos e muitas portas, e todos eles nos dão alegres boas vindas no tapete da entrada, mas apenas um deles é o verdadeiro: o Jesus Cristo dos crentes.

O Jesus Cristo dos crentes é um Cristo pessoal. Você não o encontra pendurado nos pescoços nem em esculturas feitas com o propósito de "aumentar" a fé dos que olham para ele. Ele também não é surdo a ponto de ser preciso rezar cinco "padre-nossos" e cinqüenta "ave-marias" para que ouça uma oração que não é nem pessoal. O Jesus Cristo dos crentes é diferente, Ele mora num alto e santo lugar, mas também sua presença e companhia : E eis que é garantida: "E eis que estou convosco todos os dias." Os crentes não precisam de imagens, não porque sejam melhores que os católicos, mas porque seguem o que está escrito na Bíblia. E na Bíblia está escrito que a fé vem pelo OUVIR. Assim como em um namoro há um diálogo entre um jovem e sua amada, o Jesus dos crentes não se agrada de orações repetitivas, discos quebrados, mas de palavras pessoais que brotam de lábios sinceros.

Depois que aceitei Jesus e aprendi a orar o processo das escolhas foram mais fáceis. Eu precisava pagar a faculdade, orei, e o Senhor Jesus preparou um emprego adequado cujo salário era o suficiente para custear os estudos. Isto Jesus fez por mim, e também pode fazer por você, se se aproximar dele. Eu precisar constituir um lar, e mesmo sendo muito tímido em questões sentimentais, foi o Senhor que mostrou no dia do meu 26. aniversário a jovem que seria minha futura esposa. Casamos, temos duas filhas maravilhosas, e este ano estamos completando 25 anos de casados.

Profissionalmente fui além do que podia imaginar. Carreira de contabilidade, mais de dez anos trabalhando para americanos, e cinco anos na área de contabilidade pública. Quem poderia nos dias atuais conhecer contabilidade comercial, a contabilidade americana e a contabilidade pública ao mesmo tempo?

Na vida religiosa fui bem sucedido em muitos ministérios. Nos dias de minha juventude fui músico e líder de bandas; guitarrista por 14 anos. Líder de jovens, professor de jovens e de novos convertidos por muitos anos; presbítero da Igreja; pastor de congregação por quase seis anos. Ministério de coleta e remessa de literatura para Igrejas nas penitenciárias paulistas por dois anos e meio; destaque do ministério em jornal a nível nacional. E um detalhe muito interessante: orando sempre para não estar no cargo errado, no lugar errado e fora da direção de Deus. É muito bom desejar o episcopado, a presidência, a primazia, mas desde que seja com a aprovação de Deus. Com a garantia da presença de Deus - tudo! Sem a garantia da aprovação de Deus - nada! A glória pertence ao Senhor; todos os que conquistam ou procuram conquistar glória para si estão na verdade procurando a queda. Basta um segundo sem a graça de Deus para que o mais alto servo de Deus role pelo pó. Posso todas as coisas, mas nem todas elas me convêm.

Quem escolhe o caminho de Cristo e procura servir a Deus com sinceridade estará isento de lutas, dificuldades, tribulações? Decerto que não. Quando aceitei Jesus tive muitas dificuldades no relacionamento com os pais, que eram muito católicos. Cheguei a ser "convidado" a sair de casa. Passei no vestibular com 18 anos, apenas seis anos depois veio o salário e a oportunidade para destrancar a matrícula e concluir a carreira. Na vida profissional, por ter tomado atitudes de um crente, fui ameaçado de demissão por uma vez e por muito pouco deixei de ser contratado em outro emprego. A tudo isto, devo acrescentar onze anos de desemprego dificílimos, mas que passaram para que outras oportunidades surgissem. Por que? A explicação que tenho é muito interessante: foi para melhorar meu caráter e aprender a servir a Deus na fartura e também no tempo das vacas magras.

Ainda falta uma bênção na minha vida: gosto de brincar e dizer que ainda vou vender mais livros pelo mundo que o Paulo Coelho. Não que isto seja uma fixação, mas eu tenho um sonho, e neste sonho gostaria de aprender a escrever melhor, com inspiração de Deus, para alegrar e fazer bem ao coração de pessoas em mais de 200 nações. Estou orando e trabalhando para isso. É Deus que nos convida a ter sonhos.

Se tivesse que começar de novo, minha primeira e mais importante escolha ainda seria aceitar Jesus como Salvador e Senhor da minha vida. E todas as outras escolhas eu faria com oração, e à medida que meu coração estivesse em paz tomaria cada decisão. Eu creio sinceramente que um jovem somente consegue acertar o caminho e chegar o mais longe que se pode chegar, se e somente se colocar o Senhor Jesus como Senhor da sua vida. Quem fizer assim nunca vai dizer no final da sua vida que não teve contentamento nos dias de sua vida.


João Cruzué
Iapu - 27.jul.2008
cruzue@gmail.com

.

Um comentário:

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro irmão João Cruzue,
A Paz do Senhor!
Louvo a Deus pela sua vida e testemunho.
Fui grandemente edificado!
Carlos Roberto